Você está em:    Home      Notícias      Dia a Dia Salesiano      Educação do coração, em casa

Educação do coração, em casa

27 de abril de 2020

(ANS – Roma) – Uma paixão, a da dança, que se torna um instrumento de crescimento, pessoal e a serviço dos outros; e uma jornada feita de confiança, recebida e depois dada, que se torna um caminho de fé e doação generosa: tudo isso está presente no testemunho de Chiara, uma jovem voluntária do Serviço Civil no oratório da Obra “Pio XI” em Roma, que sabia como iniciar seu compromisso com os meninos antes da pandemia e que conseguiu reinventá-la mais tarde.

A dança sempre me acompanhou na minha vida. Em todas as fases do meu crescimento, ela me levou a descobrir a mim e ao mundo ao meu redor. Ela sempre foi uma amiga fiel.

A ideia de criar um musical já estava na minha cabeça há algum tempo, mas eu não sabia como divulgar esse projeto e fazê-lo acontecer  materialmente: eu deveria ter um teatro, atores com um roteiro na mão, cantores, um corpo de dança, diretores e até técnicos de som e luz … impensáveis ​​com as poucas ferramentas que eu tinha.

Foi assim que, para uma série de casos “fortuitos”, conheci Don Massimiliano Dragani e seu oratório do Pio XI. Entrei para o grupo deles como “coreógrafa” do musical que encenamos em 27 de maio de 2019, no Teatro Roma. Naquela ocasião, conheci todos os elementos que compõem a jornada salesiana.

Don Massimiliano foi meu guia espiritual na jornada para a Terra Santa, uma jornada que virou minha vida de cabeça para baixo. Quando voltamos, foi ele quem me perguntou se eu queria participar como  voluntária do Serviço Civil no oratório.  Naquele momento da minha vida, estava perdendo minha segurança e o que, até pouco antes de partir para Israel, eram minhas certezas. Com a ajuda dele, concordei em iniciar esse caminho para o projeto “Educação do coração”.

Comecei o serviço em janeiro de 2020 no Instituto Salesiano Pio XI, juntamente com Giulia. Imediatamente nos envolvemos, principalmente com os adolescentes, por meio de atividades recreativas e oficinas. Certamente houve momentos de consolo, conforto e confronto com eles, momentos que nos ajudaram a  entrar na ponta dos pés em suas vidas , às vezes tão dramáticas.

Quanto mais os dias passavam, mais me parecia reviver em primeira mão o período da adolescência, aquele período de total insegurança, no qual você se pergunta se alguém o entende, naquele momento em que você se pergunta quem é e o que está fazendo nesta vida. Todos os dias, às 15h30, saía de casa para ir ao oratório com uma bagagem emocional e uma grande certeza:  acompanhar os meninos diante dessas perguntas. Eu nunca poderei responder perguntas para eles, mas acompanhá-los, confortá-los e enfrentá-los … sim.

Quando saiu o primeiro decreto de emergência de 9.03.20, como estudante de direito, soube imediatamente a gravidade da emergência com a questão de um ato dessa magnitude. Nossos meninos não podiam mais vir até nós, mas podíamos ir até eles, então começamos a passear pelos parques da região para poder brincar com eles, conversar e trazer um lanche … em outras palavras, para não abandoná-los.

Infelizmente, esse projeto durou apenas alguns dias, porque, posteriormente, foi emitido um novo decreto que não nos permitia sair de casa.

Nós nos encontramos remodelando nosso projeto, para  não sair de casa, mas continuar com o trabalho do “coração” . Equipamo-nos com plataformas online para poder ouvir os meninos.

Especificamente, sou animadora no grupo apostólico do biênio e todos os domingos nos encontramos no Zoom, depois da missa em streaming, para uma reflexão juntos sobre o Evangelho, enquanto nos outros dias da semana lançamos novos desafios, propostas, várias atividades em grupo e laboratórios. Os meninos respondem positivamente a essas reuniões porque são uma maneira divertida, mas construtiva,  de cultivar nossos relacionamentos, de se envolver e, devo acrescentar, de permanecer alegre e unida, mesmo nos momentos mais difíceis . Infelizmente, alguns meninos estão imersos em situações dramáticas em casa e essa mensagem ou chamada, mesmo que por alguns minutos, é uma salvação para eles … Mas o melhor é que também se tornou  a certeza de uma Presença .

Acho que este período é uma oportunidade única de crescimento, para nós voluntários e para as crianças que moram no oratório à distância. Nos foi dada a oportunidade de redescobrir a beleza de tudo que antes era óbvio para nós:  pela falta de uma pessoa ou de um ambiente, hoje em dia temos a oportunidade de reavaliar a qualidade dos relacionamentos que criamos e, acima de tudo, aprender. estar conosco como somos.

Agradeço ao Senhor todos os dias  por me permitir ser voluntária do Serviço Civil, por me dar a oportunidade de me envolver neste período difícil, mas isso me permitiu  renovar minha fé por meio da educação do coração.

Chiara Di Loreto

Comments

comments

Comente!

Contato

  • +55 67 3312 6400
  • Rua Pe João Crippa, 1437
  • CEP 79002-390 - Campo Grande, MS