Início Instituição de Ensino Superior Dois cientistas brasileiros da UCDB estão entre os 100 mil mais influentes...

Dois cientistas brasileiros da UCDB estão entre os 100 mil mais influentes do mundo

22
0
Professor Dr. Octávio Luiz Franco. Foto: Arquivo UCDB

A sexta edição do ranking da Stanford University, que destaca os 100 mil cientistas mais influentes do mundo, revelou que apenas 979 deles são brasileiros. Três atuam em universidades de Mato Grosso do Sul. Dois desses cientistas fazem parte do corpo docente da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB). Eles são o Dr. Octávio Luiz Franco e a Dra. Ana Maria Jansen Franken, que lecionam nos programas de pós-graduação em Biotecnologia e em Ciências Ambientais e Sustentabilidade Agropecuária, respectivamente.

O ranking considera diversos índices de citações, autoria, coautoria e proporções de citações. Também classifica os cientistas em 22 campos científicos e 176 subcampos, incluindo aqueles que publicaram pelo menos 5 artigos. Essas informações foram atualizadas até o final de 2022.

O Dr. Octávio Franco, líder de uma equipe com quase 200 pessoas, enfatizou que sua produtividade se deve ao amor profundo pelo que faz, considerando a ciência não apenas como um trabalho, mas como uma missão de vida. “Para mim, não é um trabalho, é uma missão de vida. Eu vivo ciência o tempo inteiro. É uma coisa que eu amo profundamente e queria ter mais tempo para fazer mais ainda mais coisas”, avaliou o professor”. Ele é bolsista produtividade 1-A do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e é responsável pelo Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia Bioinspir, sediado na UCDB. O instituto foca na produção de medicamentos para uso veterinário e na avaliação do futuro da ciência no Estado, vislumbrando diversas possibilidades de desenvolvimento.

Por sua vez, a Dra. Ana Jansen, médica veterinária e pesquisadora 1-A do CNPq, concentra sua pesquisa na área de parasitologia, com ênfase em protozoologia de parasitos. Além de ser docente na UCDB, ela também é pesquisadora do Instituto Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Com informações: Assessoria UCDB