Início Comunicação Social Consagração do altar marca reinauguração oficial de Capela restaurada

Consagração do altar marca reinauguração oficial de Capela restaurada

88
0

Dom Eduardo Pinheiro, sdb, presidiu a celebração e descerrou a placa alusiva à obra

A missa para consagração do novo altar da Capela São Francisco de Sales, realizada nesta segunda-feira (31/10), teve dois bispos salesianos celebrantes, Dom Eduardo Pinheiro, bispo de Jaboticabal (SP)  e Dom Vitório Pavanello, arcebispo emérito de Campo Grande (MS).

Também concelebraram a missa, o vice-inspetor, P. Elias Roberto, que representou o inspetor, P. Ricardo Carlos, o delegado inspetorial para pastoral juvenil vocacional, P. Wagner Galvão, o diretor do Instituto São Vicente e os sacerdotes do curatórium, P. Ademir de Oliveira, P. Fabiano do Nascimento, P. Francisco de Assis Cipriano, o diretor da comunidade Paulo VI, P. Lauro Takaki Shinohara, o diretor do Colégio Santo Antônio, em Cuiabá, P. João Marcos de Araújo Ramos, o diretor administrativo do Colégio Dom Bosco de Campo Grande, P, Luigi Fávero, o coordenador de pastoral do pré-noviciado em Indápolis, P. Wellinton da Costa, o pároco diocesano da Paróquia Santa Luzia em Campo Grande, P. Cleber Rosa e o Diácono Capuchinho, Frei Mateus Venâncio Lopes.

A restauração da capela foi um projeto que levou pouco mais de um ano para ser concluído e contou com a participação de dois artistas plásticos, Ton Barbosa (Antônio Pereira Barbosa Neto) e Rose Facuri, encarregados de recuperar imagens, afrescos e pinturas que resgataram a originalidade da construção. “A Igreja é datada como uma das mais antigas da cidade de Campo Grande-MS, possuindo, portanto, importante relevância histórica, política e social para a nossa amada cidade, para a nossa Inspetoria Salesiana e para a Igreja Particular”, afirmou o diretor do Instituto São Vicente, P. Ademir, ao final da celebração.

História — Quem conheceu a capela São Francisco de Sales nos últimos 50 anos não teve contato com a riqueza artística de sua originalidade, agora resgatada. Por isso, se faz necessário descrever a história completa.

No final da década de 1930 e início da década de 40 o Bispo Salesiano D. Vicente Bartolomeu Maria Priante, nascido no Rio de Janeiro, foi nomeado o 5º bispo de Corumbá. Ele adquiriu a área onde hoje é o Instituto São Vicente com a intenção de fundar ali um seminário diocesano. A chácara passa a ter como padroeiro S. Vicente de Paula, a quem D. Vicente possuía devoção, graças ao seu onomástico.

A chácara tinha apenas uma pequena casa, lagoas e muitas árvores frutíferas, um lugar de beleza notável. No entanto, D. Vicente encontrou uma dificuldade administrativa porque não tinha quem tomasse conta do local. Por essa razão, solicitou a colaboração dos seus coirmãos salesianos que passaram a administrar o espaço.

Em 1944, o padre Ernesto Carletti, então inspetor da Missão Salesiana de Mato Grosso, com o desejo de reiniciar o noviciado salesiano, que estava suspenso desde o ano de 1940, obteve a autorização temporária para que a chácara fosse utilizada para esta finalidade. Naquele ano, os salesianos fizeram, a pedido do Inspetor, uma grande economia para poder realizar, junto ao bispo, a compra completa da chácara que, àquela altura, já estava quase fechada.

Em 1948, os salesianos abriram um pequeno internato para meninos com menores condições financeiras e sociais. Eles se ocupavam na escola e em outros trabalhos de manutenção da casa. Eram mais de 60 meninos e o número aumentava cada vez mais com o tempo. Diante de tamanha urgência e demanda, entre novembro de 1949 e junho de 1950, foi construído em definitivo, o prédio do Instituto Pedagógico São Vicente.

No dia 2 de julho de 1950, foi a festa da Visitação. Com as ilustres presenças de D. Francisco de Aquino Correa, bispo de Cuiabá, do Governador do Estado de Mato Grosso, Fernando Corrêa, provinciais de outras congregações religiosas, das irmãs Filhas de Maria Auxiliadora, e muitos outros fieis, é inaugurado solenemente o Instituto Pedagógico São Vicente, que passa a ser também o estudantado de Filosofia.

No mesmo dia, após a celebração da Santa Missa, houve o lançamento da Pedra Fundamental para a construção da Capela, abençoada por D. Aquino. No dia 16 de janeiro de 1951, a capela já estava quase pronta e já começa a ser utilizada para as devidas liturgias no dia 21 do mesmo mês. No dia 23 de março entronizam a Via-sacra na nova igreja. E no dia 27 de maio daquele ano, a Capela de São Francisco de Sales foi solenemente sagrada pelas mãos do Exmo. D. Orlando Chaves, bispo de Corumbá.

Posteriormente, entre dezembro de 1951 e janeiro de 1952 a capela foi artisticamente decorada pelo padre Ladislau, acompanhado por um grupo de clérigos.

Já no ano de 1973, após equivocada percepção das definições do Concílio Vaticano II, adequar a capela foi reformada e adequada. Foi eliminada toda a decoração da igreja; o altar-mor é demolido e são retiradas da capela as imagens do Sagrado Coração de Jesus, de São José, de Madre Mazzarello, de São Vicente e de São Francisco de Sales, permanecendo apenas as imagens de D. Bosco e de Nossa Senhora Auxiliadora, com um crucifixo ao meio, no alto. A reforma descaracterizou por completo a estrutura da capela. No dia 23 de março daquele mesmo ano, foi inaugurado um novo altar.

Reinauguração — Neste ano de 2022, os Salesianos de Dom Bosco celebram o quarto centenário de morte de São Francisco de Sales e também os 70 anos da sagração da Capela dedicada ao patrono escolhido por Dom Bosco para sua congregação. Para marcar a grande ocasião, a comunidade, com apoio da Inspetoria, decidiu realizar este restauro histórico da Igreja, que levou aproximadamente um ano.

No processo de restauração foi recuperada a relíquia de Santo Estanislau, que foi afixada no altar por D. Eduardo durante a solenidade de consagração.

Durante a missa de reinauguração da capela, os salesianos pós-noviços entregaram ao diretor do curatórium o pedido para renovação dos votos na Congregação. Ao final da celebração, que contou com a presença dos artistas e trabalhadores responsáveis pela recuperação total da capela, e também de representantes da família salesiana, SSCC e FMA, Dom Eduardo Pinheiro e o P. Elias Roberto descerraram a placa de reinauguração da igreja. Para contar a história da construção e da restauração da Capela de São Francisco de Sales, foi montada uma exposição fotográfica com registros raros e históricos do Instituto São Vicente, bem como o passo a passo do trabalho de restauração do local.