Início Artigo “Senhor, nunca pare de me surpreender”!

“Senhor, nunca pare de me surpreender”!

63
0

«Esta é a minha oração depois de ter visitado mais de cem países onde existem salesianos e onde conheci uma realidade tão incrível, tão fascinante, tão preciosa e, tantas vezes, tão dolorosa»

Uma saudação calorosa, amigos e leitores. Há poucos dias celebramos a festa de Dom Bosco, de maneira diferente dos anos anteriores, porque a pandemia não desapareceu e ainda afeta muitas coisas. Bem, mesmo nesta situação, devemos saber ler as luzes e as fontes de esperança que estão presentes.

Na noite da primeira missa em Castelnuovo, com sua mãe, Dom Bosco voltou aos Becchi pelas ruas de sua infância. Aqui estão os dois juntos, o filho consagrado e a mãe, repleta de fervor e de felicidade. Casal misterioso que partia na estrada que sobe a colina: certamente os anjos os vigiavam. A seguir, João Bosco recita o seu Magnificat pessoal : «Quando estive perto dos lugares onde vivi quando menino, e vi o lugar onde tinha sonhado nove anos, não pude conter a minha emoção. Eu disse: Quão maravilhosas são as estradas da Providência! Deus realmente levantou do chão um pobre menino, para colocá-lo entre os seus entes queridos ».

E no espírito do Magnificat, escolhi partilhar com vocês a oração do título, que é a minha forma de rezar nestes anos. Nos últimos seis anos, antes da pandemia, tive a preciosa e exigente oportunidade de visitar cem nações do mundo onde existem presenças salesianas, tanto dos Salesianos como da Família Salesiana em geral. E conheci uma realidade tão incrível, tão fascinante, tão preciosa, tantas vezes tão dolorosa, que a minha oração quotidiana, ao regressar a Roma, era sempre esta: “Senhor, nunca pare de me surpreender”.

Jamais deixarei de me surpreender com a dignidade de centenas de mulheres sozinhas com seus filhos (seus maridos falecidos ou desaparecidos) no campo de refugiados de Juba (Sudão do Sul), onde fica nossa casa salesiana. Nunca deixem de apreciar a decisão de acompanhar, como salesianos, todas aquelas pessoas que não têm nada e certamente não têm ninguém.

Não posso deixar de me surpreender com a alegria que senti ao conhecer os meninos e meninas que vivem na cidade de Dom Bosco em Medellín (Colômbia), onde retomaram os estudos depois de terem sido soldados da guerrilha das FARC (Colômbia). Agora esses jovens “redimidos e salvos” pela guerrilha vivem com um sorriso e uma esperança.

Não posso deixar de me maravilhar com o bem que se faz vivendo em uma comunidade salesiana, no coração do campo de refugiados de Kakuma (norte do Quênia), um campo de refugiados da ONU, que é quase uma cidade, com mais de 300.000 pessoas, e de que temos sido uma festa “extraordinária” por muitos anos. Extraordinário porque uma regra destes campos de refugiados é que à noite ninguém de fora do campo pode ficar ali, mas o encanto da pessoa de Dom Bosco e o estilo educativo dos seus filhos e filhas permitiram-nos ter uma casa para viver no meio dessas famílias, uma escola para lhes ensinar um ofício e uma paróquia presente nas várias zonas do acampamento.

Não posso deixar de me surpreender com a proximidade que experimentei com a boa gente das “Villas” da Argentina, em Buenos Aires. Assim são conhecidos os subúrbios desta grande cidade, onde trabalham os “curas villeros“, os padres tão amados pelo Papa Francisco, e onde também estão os nossos irmãos e irmãs salesianos.

Não posso deixar de me surpreender com os rostos e sorrisos de tantos meninos e meninas resgatados da rua, recebidos em nossas casas. São os “filhos da estrada”, tanto na Colômbia, Serra Leoa ou Angola, e em muitas presenças na Índia. Tenho visto tantos “milagres” de Salesianos que fazem visitas noturnas às tocas onde esses meninos vivem e dormem, onde ‘cheiram’ produtos químicos, tintas e adesivos que destroem seus pulmões, e buscam o primeiro contato com eles até que concordem em ir. à casa salesiana para se lavar, comer e ficar lá se quiser. Verdadeiros milagres que salvaram e salvaram muitas vidas.

Rezo com fé, pedindo que nunca deixe de me maravilhar com a esperança e a dignidade que encontrei em tantos jovens animadores, estudantes e universitários de Damasco e Aleppo, que junto com nossos irmãos salesianos continuaram a acolher centenas de jovens em cada dia porque a guerra em seu país não foi tão terrível. Eu não ouvi nenhuma reclamação. Tenho ouvido falar claramente sobre a guerra e os diferentes interesses de muitas nações, mas encontrei dignidade e solidariedade, encontrei fraternidade e fé. E pedi ao Senhor que não deixasse de me surpreender com tanta dignidade em meio ao horror de uma guerra e de uma cidade 70% destruída, que eu só tinha visto no cinema. Estar lá é muito diferente.

E peço ao Senhor que nunca deixe de me surpreender com a bela realidade da vida compartilhada ao longo dos anos com tantos povos indígenas, tanto com os Yanomami, os Xavante, os Boi-Bororo do Brasil, quanto com os Ayoreos e Guaranis do Paraguai, tanto com os Shuar quanto com os Achuar do Equador. Quando os conheci, nunca deixei de me maravilhar com sua realidade e com a de meus irmãos e irmãs, que há muitos anos compartilham suas vidas.

Por isso peço ao Senhor que me ajude a não parar de espantado, porque o espanto me torna grato a Deus, à vida e àqueles que tanto fizeram a favor dos outros, dos quais, nas minhas visitas de animação, tenho sido apenas uma testemunha, quase um notário. Os sonhos missionários de Dom Bosco se desenvolveram e foram muito além do que ele próprio poderia ter sonhado.

Ao mesmo tempo, tenho medo de me acostumar com muitas coisas, como o fato de que o número de mortes de Covid-19 é apenas uma curiosidade de cifras, quando por trás dessas mortes há tantas histórias de dor e muitas vezes histórias de maravilhosas vidas. Não quero me acostumar com a dor produzida pelas migrações e mortes no Mediterrâneo pelo desejo de chegar à Europa, ou nas fronteiras e rios de várias nações da América Central, na tentativa de chegar ao norte.

Não quero deixar de me machucar com os abusos das máfias que exploram as pessoas, que as enganam com a promessa de uma vida melhor e depois submetem essas pessoas, tantas vezes mulheres e adolescentes menores, a uma vida de prostituição e abusos sem qualquer perspectiva de libertação.

Não quero me acostumar a pensar que nada pode ser feito em nossas sociedades.

Não quero me habituar a ver filas e filas de pessoas à espera de um prato de comida nas nossas grandes cidades do ‘primeiro mundo’, com histórias muito dolorosas.

Quero permanecer sensível a isso da mesma forma que é sensível o toque de uma ferida infectada.

Caros leitores, esta é a minha mensagem simples e humilde para vocês, porque sei que muita consciência despertou em tantas pessoas, e porque sei que muitos de nós acreditamos que é possível e realista mudar e melhorar muitas situações.

Continuo a desejar a vocês um 2021 cheio de esperança, de esperança autêntica e verdadeira, também vos convido a sonhar, a não desistir de se deixar surpreender pela beleza e incredulidade da vida, por tantas histórias únicas, e ao mesmo hora de não se acostumar com aquilo que não deveria existir.

Obrigado por estar ao nosso lado como amigos, acreditando que um mundo melhor é possível.