Início Comunicação Social D. Ángel Artime: “A pandemia está trazendo à luz o melhor de...

D. Ángel Artime: “A pandemia está trazendo à luz o melhor de muitas pessoas”

46
0

Pouco mais de um mês após a conclusão do 28° Capítulo Geral e sua reeleição como Reitor-Mor, o P. Ángel Fernández Artime concedeu uma longa entrevista à publicação católica ‘Alfa y Omega’. Na ocasião, o décimo sucessor de Dom Bosco abordou diversos temas, das perspectivas para o novo sexênio ao estado da Congregação, sem esquecer de mencionar o aspecto missionário e seu desejo de viver numa fronteira quando seu mandato terminar. Dedicou também grande parte da conversa ao assunto que nos últimos meses vem afetando o mundo inteiro e que nos levou a uma mudança drástica e radical em nossas vidas: a pandemia do coronavírus.

Que balanço o senhor faz dos seus primeiros seis anos como reitor-mor?

Durante todo esse tempo, levei em meu coração um desejo e convicção muito profundos, que fiz muitas vezes por minha oração pessoal. Que no final dos seis anos a Congregação Salesiana poderia ser ainda mais fiel ao carisma recebido de Dom Bosco. E mesmo com a variável fragilidade humana, acredito que a congregação continua sendo uma parte muito viva da Igreja e cria comunhão onde quer que estejamos. Continuamos nos entregando aos jovens em todas as partes do mundo e não nos distanciamos dos mais pobres, embora as realidades do mundo nos cinco continentes sejam muito diferentes. Acredito que posso afirmar que a congregação vive anos de profunda serenidade e um desejo de ser significativo quando se trata de servir, especialmente os jovens e suas famílias.

Como o senhor enfrenta a reeleição?

Eu vivo com muita serenidade, com coragem e muita esperança. Naturalmente, o segundo mandato não será como o primeiro. Agora conheço bem a congregação e sua presença nas 134 nações, das quais visitei 100. Será, portanto, uma oportunidade de ser mais incisivo, acompanhar melhor os processos, sempre que necessário; uma oportunidade de sonhar e realizar novas presenças, desde que estejam na vanguarda da evangelização e educação dos mais pobres. Serão anos em que continuaremos a tornar realidade o que, como congregação, é inquestionável: não podemos deixar nenhum lugar de fronteira ou missio ad gentes, nem de presenças já centenárias na Amazônia. Um fato que pode servir de exemplo: em toda a região amazônica (que inclui quatro nações em que estamos), compartilhamos a vida com 63 povos indígenas. Como salesianos, filhos de Dom Bosco, este é um elemento carismático essencial e inquestionável para nós. Posso dizer o mesmo da longa cordilheira andina, por exemplo.

Como o senhor vê o futuro após este segundo mandato?

Sou muito claro sobre o que gostaria: viver os anos seguintes em qualquer ambiente simples, em qualquer lugar da missão andina ou nas montanhas, entre pessoas humildes, em uma paróquia simples, em um centro juvenil para meninos e meninas pobres, ou em um lar adotivo na rua. Este é o meu sonho e espero que o Senhor me permita vivê-lo.

O senhor visitou inúmeros países. O que lhe vem à mente quando o Papa afirma que estamos em “uma terceira guerra mundial em pedaços” ou quando ele fala da “globalização da indiferença”?

Por causa do meu próprio caráter e da minha identidade carismática salesiana, tenho a tendência de olhar com esperança. Mas certamente acho que estamos vivendo anos muito difíceis. Muitos de nós, entre outros, acreditamos há 20 anos que o caminho para a paz e o caminho para uma crescente extensão dos direitos humanos no mundo era lento, mas visível e verificável. Nos últimos 20 anos, experimentamos um revés inimaginável, seja por causa do terrorismo internacional, seja por causa da exploração e abuso de movimentos migratórios em todo o mundo, seja por causa de guerras ou passividade expectante diante de algumas delas…

No momento, somos atingidos por essa terrível pandemia. Nunca teríamos imaginado algo assim, como nunca imaginamos que o terrorismo dos últimos 20 anos seria possível em grande parte do mundo, especialmente no Ocidente. E essa mesma pandemia está expondo e expondo o melhor de muitas pessoas e grupos sociais (por exemplo, médicos, enfermeiros, serviços de proteção social etc.) e o pior do egoísmo e individualismo das nações. Na minha opinião, é lamentável, e não será fácil esquecê-lo após o pós-coronavírus.

Como podemos enfrentar a pandemia de coronavírus como católicos?

Eu diria que, acima de tudo, espero que aprendamos algo com tudo isso que estamos experimentando. Por exemplo, voltaremos à vertigem na vida ou teremos mais ritmos e espaços humanos? Queremos compensar o tempo perdido no consumo, ou aprenderemos que podemos viver felizes com o que é necessário e com mais sobriedade? Continuaremos desenfreados na corrida pela poluição no mundo ou daremos descanso ao planeta como o coronavírus nos forçou a fazer? Após essa pandemia, uma indiferença ecológica como a que ainda é vista nas cúpulas climáticas não é possível.

E, é claro, diante das situações de pobreza que vão explodir, também na Espanha, como cristãos e católicos, devemos continuar a responder com altura, criatividade e generosidade. Em geral, em situações extremas, tendemos a fazer o nosso melhor. Estou muito confiante nisso.

Gostaria de aproveitar a oportunidade para justamente convidar solidariedade, fraternidade, caridade e, para aqueles que são crentes, também para orar com fé no Deus que não faz mágica, mas está ao nosso lado, às vezes uma caminhada cansativa como a atual. . Nesse sentido, eu queria ficar com a imagem do Papa Francisco algumas sexta-feira atrás em oração em uma praça vazia e chuvosa de São Pedro. Certamente ele nunca esteve tão sozinho, mas, ao mesmo tempo, nunca esteve tão acompanhado por tantas pessoas ao redor do mundo.

Antes que o coronavírus tomasse conta de todos os assuntos, havia muita conversa sobre a prevenção de abusos. Que medidas os salesianos implementaram nesse campo?

É certamente uma das páginas mais tristes da história da Igreja. E é a maior tragédia e mal que um salesiano pode causar, já que prometemos, como Dom Bosco, que nossa vida seria para os jovens. Posso assegurar-lhe que, durante muitos anos (posso falar com você por minha experiência como inspetor, desde 2000), estamos consolidando e construindo um código ético em todas as partes do mundo em que estamos. E acrescento mais uma nuance: por muito tempo, e muito mais forte na sensibilidade deste Capítulo Geral, falamos em sintonia com o Sínodo dos Bispos sobre os jovens e em comunhão com a exortação apostólica do Papa sobre esse assunto, sobre todos os tipos de abuso. Pedi à nossa congregação uma opção radical, preferencial e pessoal, institucional e estrutural em favor dos meninos e meninas mais carentes, pobres e excluídos. E também a opção prioritária e radical na defesa dos meninos e meninas vítimas de qualquer abuso, também o abuso sexual, mas não apenas: o abuso da violência, a falta de justiça, o abuso de poder … Tanto e tão terrível que ofende e destrói.

Mas deixe-me apenas mais um ponto crítico sobre esse tópico muito doloroso. Eu faço uma pergunta: quando é que vamos ter a honradez e a honestidade como sociedade para nos dizer que temos um sério problema social em relação ao abuso sexual de menores que não é enfrentado? Quando vamos dizer socialmente e reconhecer que a grande maioria dessas situações ocorre nos círculos da família, parentes ou os mais próximos? Quando é que teremos coragem socialmente para estender a denúncia a tantas instituições e grupos envolvidos nela? Honestamente, acho que é um problema que não é socialmente enfrentado até as últimas consequências.

 

Um capítulo geral marcado pelo coronavírus

 

Qual era o planejamento das três semanas que não puderam ser celebradas no Capítulo Geral?

 

Certamente tivemos que encerrar (não apenas interromper) o Capítulo Geral três semanas antes por causa do coronavírus e em obediência aos regulamentos emitidos pelo governo italiano. Como sentimos que algo assim poderia acontecer, na época decidimos antecipar o discernimento e a eleição do Reitor-Mor e de todo o seu Conselho Geral por uma semana. Fizemos isso na quarta semana e no final iniciamos a diáspora. Foram viagens difíceis e, de fato, 46 ​​membros do Capítulo Geral ainda estão em Valdocco (Turim) que não puderam viajar para seus respectivos países.

O trabalho que nos restou foi fundamentalmente o da discussão em sala de aula e a correção e votação do conteúdo refletido nas três semanas anteriores e que dariam origem ao documento do capítulo. Isso não pôde ser feito e, portanto, não temos um documento de capítulo aprovado em sessão plenária, mas temos extensas reflexões e deliberações que o reitor-mor com seu Conselho tomará como uma linha de trabalho e as enviará em breve, quando pudermos nos reunir pela primeira vez como conselho, a todo o mundo salesiano.

Foi feita uma consulta a todos os jovens salesianos do mundo, o que eles transmitiram ao senhor? O que os jovens pedem à congregação?

Sim, é verdade. Este foi um capítulo geral salesiano no qual, nos dois anos de preparação, realizamos duas importantes consultas. Uma, em relação à formação dos jovens salesianos. Nela, damos a palavra a 3.670 jovens salesianos que estão nos primeiros anos de profissão religiosa. E eles nos disseram muitas coisas muito interessantes sobre como eles se parecem e o que pensam quando jovens (certamente jovens salesianos consagrados, mas jovens como seus pares). As outras consultas foram para jovens de milhares de presenças no mundo.

Finalmente, um grupo de jovens dos cinco continentes pôde nos acompanhar por um tempo em Valdocco. Sua presença transmitia frescor, vitalidade, alegria. E eles foram muito fortes e claros em sua mensagem. Eles nos disseram que nos amam. Que amam os salesianos e que também nos querem ao lado deles no caminho da vida. Nos pediram para acompanhá-los nos anos em que eles mais precisam de nós. Eles nos disseram para nos deixarmos amar por eles. Eles nos pediram para sermos amigos, seus irmãos e sempre pais porque, por mais fortes que tenham sido, muitos jovens no mundo têm uma grande falta de pais. Não temos experiência com pais. E, finalmente, com emoção em tantos momentos, eles nos disseram: «Precisamos de vocês, acima de tudo para nos mostrar e nos dizer mil vezes o quanto Deus nos ama».

O que o Papa lhe transmitiu como resultado de sua reeleição?

Não pude falar com o Santo Padre após minha reeleição, mas pude falar na sexta-feira anterior. Primeiro ele deixou uma mensagem para todos e depois conversamos ao telefone quando ele me ligou. Você pode imaginar o que significou para todo um capítulo geral como o nosso que o Santo Padre nos chamou para nos dizer que estava nos enviando algo importante para ele e para nós. Uma mensagem que não tem nada de protocolo e tem tudo de programa para nós. Uma mensagem magnífica que já estamos expressando nas linhas de governo dos próximos anos. Sem dúvida, temos um papa que ama todos na Igreja e ama todo homem e mulher de boa vontade. Para mim, é mais do que evidente que vivemos um tempo de graça na Igreja em meio a tanta dor e tanta fragilidade da própria Igreja.

Quais são suas principais ideias de governo para os próximos seis anos?

Você pode imaginar que ainda precisamos aprofundar o que queremos projetar para os próximos seis anos, mas posso lhe dizer que nossos esforços serão nessa direção:

– Devemos continuar crescendo em identidade carismática. Em outras palavras, ser salesiano de Dom Bosco como ele nos queria e cientes da prioridade que temos em nós de ser evangelizadores de jovens, educadores para eles junto com suas famílias e testemunhas íntimas de quanto Deus os ama.

– Somos chamados, agora mais do que nunca, a ser afetiva e efetivamente entre os jovens. Isso é voltar sempre, cada vez mais, a Dom Bosco. Eu chamo isso de “sacramento salesiano” da presença.

– A formação do salesiano e do jovem salesiano como o mundo e a Igreja precisam hoje, onde quer que estejamos, é uma prioridade para nós. Uma generalização que nos mata a parte mais essencial do nosso carisma, não nos serve.

– Sonho com que dizer a palavra ‘salesiano’ hoje no mundo e em nossas sociedades, e na Espanha, por exemplo, signifique para as pessoas e muitas pessoas de boa vontade, entendem que falam desses filhos de Dom Bosco que são e vivem para jovens, que os amam loucamente, que fazem opções corajosas e radicais para eles.

– É a hora da generosidade em nossa Congregação, entendida como a disponibilidade de todos os salesianos do mundo, dos 14.500 que somos, para nos ajudar em qualquer lugar do mundo, em qualquer país e nação. Não somos salesianos de uma terra ou região. Somos salesianos de Dom Bosco, e a missão e os meninos e meninas que não têm oportunidades, os descartados, os mais frágeis, podem estar esperando por nós e precisando de nós nos mais diversos lugares. Temos que nos dirigir a eles e chamaremos de um país e de outro para continuar abrindo horizontes e novas fronteiras da missão salesiana.

– Finalmente, pretendemos continuar crescendo no que hoje é uma grande força e um verdadeiro presente. É sobre a realidade da família salesiana no mundo e a missão educativa e evangelizadora que compartilhamos com centenas de milhares de leigos nos países aos quais já me referi. Isso ainda é força e desafio ao mesmo tempo.

 

José Calderero de Aldecoa

Veja a reportagem original no link abaixo

Alfa y Omega