Início Instituição de Ensino Superior Novos tipos de avaliações são discutidos em curso com docentes de Medicina

Novos tipos de avaliações são discutidos em curso com docentes de Medicina

42
0

UniSALESIANO promoveu o curso continuado de aperfeiçoamento pedagógico aos 70 docentes do curso de Medicina, entre os dias 6 e 7 de março, com o objetivo de oferecer um processo contínuo de evolução aos participantes.

O 5º Módulo, intitulado “Competências Essenciais: Psicometria/Meta – Avaliação”, foi ministrado por profissionais renomados da PUCPR (Pontifícia Universidade Católica do Paraná) e Unicamp (Universidade Estadual de Campinas): professores Emilton Lima Junior e Dario Cecílio Fernandes, respectivamente. Ambos possuem mestrado e doutorado em países europeus.

Dario Cecílio Fernandes – pesquisador que realiza análises sobre o Teste de Progresso e é vinculado ao Departamento de Psicologia Médica e Psiquiatria da Unicamp, universidade que trouxe a prova para o Brasil, afirmou que o curso tem a intenção de alinhar a metodologia implantada pelo UniSALESIANO com a forma de avaliação. “A ideia é avaliar as habilidades, atitudes e competências do aluno e não apenas o conhecimento”, disse.

Para o especialista em formação médica, doutor Emilton, percebe-se que o UniSALESIANO está sempre em processo permanente de evolução e de uma preocupação muito grande com a melhora da qualidade do ensino. “Isso motiva todos nós aqui a nos engajarmos nesse projeto. A gente espera que os alunos e a comunidade entendam essa preocupação com a qualidade do ensino”, afirmou.

Segundo doutor Emilton, há dois projetos de iniciativa dos próprios docentes do UniSALESIANO que são extremamente inovadores na área de avaliação e que poderão ser implantados em todas as unidades curriculares da Instituição, começando pelo curso de Medicina.

Um deles é de autoria do Prof. José Cândido Xavier Júnior, que avalia de forma longitudinal a nota dos alunos relativa ao laboratório morfofuncional, ambiente supervisionado pelo docente. “São abordados os conteúdos das ciências básicas, como bioquímica, histologia, anatomia, patologia, fisiologia, parasitologia, microbiologia, e todas as matérias das cadeiras básicas. A gente comparou as variações, quando se utiliza as questões de testes, depois de testes mesclada com questões abertas, e só questões dissertativas”, explicou, ao ressaltar que as questões abertas permitiram avaliar melhor o grau de retenção do conteúdo pelos alunos.

REFLEXÃO

O curso também abriu espaço para uma reflexão entre os docentes sobre os primeiros anos do curso de Medicina no UniSALESIANO e de seu futuro. “Por exemplo, em 2030, aonde queremos chegar? A minha expectativa é que estejamos, pelo menos, entre as 20 melhores escolas médicas do Brasil”, analisou o Emilton, que acompanha o curso desde sua implantação.

Prof. Fábio Navarro lembrou que o corpo docente tem se empenhado bastante para promover a capacitação de seus alunos e, a partir disso, colher bons frutos no futuro. “Por isso a importância de nos aperfeiçoarmos para poder levar esse conhecimento aos alunos”, comentou.

Por sua vez, a Prof.ª Vilma Neri Shinsato analisou que, cursos com a presença de figuras renomadas e de expertise, como o doutor Emilton, balizam o que está sendo feito no UniSALESIANO. “Ajuda com o que nível do curso seja cada vez mais alto”, disse.

Por fim, o coordenador do curso de Medicina do UniSALESIANO, Dr. Antônio Henrique Poletto, afirmou que a Instituição tem compromisso sério com a qualidade do processo de ensino-aprendizagem. “Temos, nas reuniões pedagógicas e nos cursos com professores de outras universidades, a oportunidade de ações concretas neste sentido. É preciso planejar e agir para termos qualidade elevada”, concluiu.

 

Monique Bueno
Jornalista