Início Publicações A ‘simples Ave-Maria’ de Dom Bosco continua a dar frutos: o novo...

A ‘simples Ave-Maria’ de Dom Bosco continua a dar frutos: o novo documento sobre o Oratório-Centro Juvenil Salesiano

279
0
Capa do novo documento salesiano. Foto: Reprodução ANS

O próprio Dom Bosco, nas suas Memórias do oratório, conta como o seu Oratório começou no dia 8 de dezembro de 1841: “com uma simples Ave Maria”. Desde então, para os salesianos, a celebração da Imaculada Conceição e a comemoração do início do ‘oratório salesiano’ são inseparáveis. Não se tratava, porém, de um início formal, da inauguração de estruturas físicas ou do lançamento de programas de trabalho, mas da realização daquilo que hoje conhecemos como “estilo/critérios oratorianos”: um encontro educativo-evangelizador entre Dom Bosco e um jovem pobre, respondendo às suas necessidades concretas e promovendo-o plenamente através da “metodologia” da amizade. Tudo isso foi o início do que o próprio Dom Bosco não podia imaginar na época: o Oratório.

A Ave-Maria de Dom Bosco marca a origem de um dinamismo que, pouco a pouco, foi impulsionando todas as propostas e expressões educativo-pastorais de que os jovens do seu tempo tinham necessidade. Assim, o estilo oratoriano modelou, e continua a modelar, hoje, todas as Obras e Presenças salesianas no mundo.

De facto, 182 anos depois, a mesma “simples Ave-Maria” e o mesmo estilo/critério oratoriano continuam a dar energia e identidade ao carisma salesiano, o que também implica uma contínua reflexão e uma constante atualização, não só para que a obra e a presença salesiana sejam expressão fiel do que Dom Bosco iniciou mas também para que continuemos a ser-lhe fiéis, respondendo às novas e atuais necessidades dos jovens.

Por isso, neste dia 8 de dezembro de 2023, o Âmbito da Pastoral Juvenil Salesiana apresenta uma nova reflexão atualizada sobre o Oratório-Centro Juvenil Salesiano (2023). Trata-se de um documento que, partindo do Quadro Referencial da Pastoral Juvenil (2014), é renovado e atualizado tendo em conta os novos contextos e as novas realidades da Congregação Salesiana e dos jovens.

A este propósito, o Conselheiro Geral para a PJ, P. Miguel Ángel García Morcuende, afirma: “Pretendemos oferecer um conhecimento amplo e atualizado do Oratório-Centro Juvenil. Queremos contribuir para confirmar, renovar e revitalizar a novidade do Oratório-Centro Juvenil, enraizada em nossa memória carismática, e tornar atuais as suas potencialidades educativo-evangelizadoras”.

O documento é resultado de um ano de diálogo, escuta e consulta com todas as Inspetorias, o que despertou um crescente interesse pelo renascimento e revalorização das obras especificamente identificadas como ‘Oratório-Centro Juvenil’, e também pelo renascimento e revalorização da originalidade oratoriana de cada obra e presença salesianas.

O documento se estrutura em quatro partes, respondendo ao quê, ao quem, ao porquê e ao como do Oratório Salesiano-Centro Juvenil, ou seja, à originalidade do Oratório Salesiano, à sua Comunidade educativo-pastoral, à sua Proposta educativo-pastoral e, enfim, à sua Animação pastoral orgânica.

Em outubro e novembro, o conteúdo do texto foi apresentado nos encontros regionais dos Delegados inspetoriais da PJ. Os delegados apreciaram a pertinência da reflexão, dado que em algumas províncias se torna necessário reativar o Oratório-Centro Juvenil como forma concreta de viver as novas fronteiras/periferias da vida dos jovens.

O texto está disponível como PDF editável em cinco línguas, e também a versão para se imprimir. O documento é acompanhado de um PPT para apresentação e divulgação mais alargada.

O P. Francisco Cervantes, membro do Setor par a PJ, acompanha este ‘ambiente’ e está também envolvido nos processos de formação e acompanhamento dos/aos líderes juvenis.

Na Solenidade da Imaculada Conceição, confiamos – como Dom Bosco, ‘com uma simples Ave-Maria – a Nosso Senhor Jesus Cristo e à nossa Mãe tantos jovens que têm necessidade urgente das dinâmicas educativo-pastorais de um Oratório-Centro Juvenil Salesiano, e oferecemos este documento para não só iluminar a reflexão e as práticas que já temos mas também para encorajar propostas novas e criativas.

Com informações: ANS