Você está em:    Home      Notícias      Dia a Dia Salesiano      Uma história desconhecida de Dom Bosco

Uma história desconhecida de Dom Bosco

23 de dezembro de 2021

As surpresas nunca acabam.

Quando as cartas de Dom Bosco começaram a ser recolhidas no início dos anos oitenta do século passado, tendo em vista a sua publicação – lançando o apelo por toda a parte na imprensa, rádio, TV (não havia internet e redes sociais modernas ) – não se podia imaginar .que 40 anos depois ainda havia outros desconhecidos; tanto mais na Itália, quanto mais no Piemonte. E em vez disso … aqui está a última que chegou a tempo de ser incluída no último volume da correspondência que recolhe as cartas recuperadas “fora do tempo”, isto é, após a publicação do volume relativo ao ano da sua namoro 1. Chegou-nos por intermédio de um professor da Pontifícia Universidade Salesiana, P. Giorgio Zevini, que o recebeu de presente do neto da mesma agraciado; hoje encontra-se no Arquivo Central Salesiano de Roma.

O contexto do documento

Esta história antecedeu o nascimento do Reino da Itália (1861), dez anos após a concessão da liberdade de imprensa no reino de Sabóia (1848), liberdade que foi recebida de forma muito favorável mesmo por aqueles que não eram livres. para fazer propaganda de suas ideias religiosas (várias confissões protestantes, judeus …). Dom Bosco, que há muito se empenhava na publicação de livros e expedientes para a juventude e o povo, sobretudo textos devocionais e formativos, entrou em campo diretamente na defesa da fé católica que via em perigo.

Em 1853, a pedido dos bispos do Piemonte e em colaboração com o bispo de Ivrea, Dom Luigi Moreno, Dom Bosco criou a série “Leituras Católicas”, uma publicação mensal de algumas dezenas de páginas, em formato reduzido, um guia com estilo didático, às vezes altamente controverso. Nele apareceram seus escritos e os de outros autores. A partir de 1862 essas publicações foram impressas individualmente em Valdocco e difundidas por toda a Itália através de uma invejável rede de sacerdotes e leigos dispostos a promover o que no futuro se chamará “a boa imprensa”.

Entre os tantos padres que por diversos motivos puseram os pés em Valdocco, talvez para recomendar alguns meninos da vila a Dom Bosco, um dia deve ter chegado o “operário” da paróquia de Grignasco (Novara), Dom Bernardino Francione, um jovem padre culto. Diante da editora salesiana e a série “Leituras católicas”, ele deve ter tido a ideia de publicar ele mesmo um livreto sobre o sacramento da Confirmação na mesma série. Posto isto, algum tempo depois enviou o manuscrito a Dom Bosco, que, obedecendo às normas diocesanas em vigor, o submeteu ao revisor eclesiástico instituído pelo arcebispo Monsenhor Luigi Fransoni (exilado em Lyon desde 1850).

A opinião do desconhecido censor – que aparentemente conhecia bem o caráter popular das “Leituras Católicas” de Dom Bosco – era do seguinte teor: “A obra é boa e pode ser impressa sem dificuldade, se se destina a pessoas cultas; mas para essas leituras seria necessário remover tudo o que tenha a aparência de objeção: popularizar palavras e períodos o máximo possível, adicionar [sic] algumas semelhanças ou exemplos que podem deixar sentimentos morais nas pessoas humildes e cristão de pouca instrução”.

Uma nota de rodapé significativa

Dom Bosco certamente compartilhava totalmente esta opinião: interessa-se pelas crianças, pelos jovens, pela população semianalfabeta italiana, não pelos intelectuais ou pelos “cultos”. A série que dirigiu tinha um público-alvo muito simples, a classe popular formada por camponeses, operários, artesãos, mães de família. E, nessa perspectiva, para o julgamento moderadamente positivo do auditor, ele acrescentou uma nota de rodapé significativa: ” Meu sentimento, no entanto, seria que ela deveria falar com seus paroquianos e instruí-los sobre o sacramento de que estamos falando aqui e como fazer bem a primeira comunhão” Por isso, pediu ao seu interlocutor, Dom Francione – a quem erroneamente atribui o título de pároco (que era padre Giuseppe Boroli) – um texto escrito que tivesse sabor de fala, coloquialismo, pregação popular, com várias sugestões para a vida moral, segundo os critérios mais comuns da mentalidade popular da época.

A riqueza das “Leituras Católicas”

Não parece que o livreto do citado padre tenha sido impresso nas “Leituras Católicas” ou em outro lugar: o nome do autor e o título do livro não aparecem na enciclopédia dos escritos do século XIX. Mas permanece o fato de que as “Leituras Católicas” foram imensamente bem-sucedidas. Começando com uma tiragem de cerca de 3.000 exemplares, chegaram a cerca de 12.000 na década de 1870: uma quantidade enorme para a época. Mantidos a preços baixíssimos, constituíam o “carro-chefe” da tipografia de Valdocco, que obviamente colocava no mercado centenas de outros volumes, desde grandes dicionários e textos para a escola a operetas hagiográficas e apologéticas, livros e panfletos de história, instrução religiosa, de caráter devocional, de circunstância.

 

Por: FRANCESCO MOTTO – para o Boletim Salesiano (ITA)

 

Comments

comments

Comente!

Contato

  • +55 67 3312 6400
  • Rua Pe João Crippa, 1437
  • CEP 79002-390 - Campo Grande, MS