Você está em:    Home      Notícias      Dia a Dia Salesiano      Sete perguntas ao Presidente da Confederação Mundial de Ex-Alunos de Dom Bosco

Sete perguntas ao Presidente da Confederação Mundial de Ex-Alunos de Dom Bosco

24 de junho de 2020

(ANS – Roma) – No dia em que ocorre o 150º aniversário do nascimento simbólico dos ex-alunos de Dom Bosco, compartilhamos uma entrevista com o Presidente da Confederação Mundial, Michal Hort.

Qual é a realidade atual da Confederação Mundial?

Eu usaria a expressão “constantemente crescendo”; nosso maior desafio em 2015 foi entrar em contato não apenas com os 100.000 ex-alunos já oficiais, mas com todos os ex-alunos e amigos de Dom Bosco espalhados por todo o mundo. Agora, depois de cinco anos, posso dizer que o desafio é exigente. Ter na mente e no coração milhões de ex-alunos que passaram pelas mãos de mais de 14.000 salesianos em mais de 3.000 escolas e em mais de 4.000 outros trabalhos em todo o mundo é uma conta, mas para ter sucesso, e então, organizá-los, é outra conta. Mas estamos trabalhando nisso. Incessantemente. Com a ajuda de Dom Bosco, nossa equipe e a Família Salesiana.

A cada dia, mais e mais ex-alunos e amigos de Dom Bosco descobrem e aprofundam sua identidade, colocando-se a serviço dos outros. Colocando diariamente sua competência, talento e profissionalismo à sua comunidade e às diversas situações da vida. Porque era isso que Dom Bosco quis dizer quando pedia que nos ajudássemos uns aos outros. E é isso que está escrito em nossa Promessa de Oração e que deve ser a realidade diária para todos nós.

Nestes anos de presidência, dentre as muitas realidades encontradas, qual delas permaneceu em seu coração?

Todas elas. Todas … cada uma das realidades por um motivo diferente. A “Velha” Europa, por sua forte história, suas ricas atividades e sua real influência na sociedade e na tradição política e econômica, mas também pelo esforço que faz para se comunicar com os jovens; a “Nova” Europa por sua energia incrível, sem limites, mas sem um sistema e processos que a tornem sustentável; a África por sua característica natural de ajudar os mais pobres e a liberdade de vida, mas lutando com instrumentos e comunicação básicos; a Ásia por seu extraordinário crescimento, por sua energia e suas habilidades, mas que não tem influência além das fronteiras de sua região; a América Latina pelo amplo conhecimento de Dom Bosco e dos ex-alunos que trabalham muito no dia a dia com grande alegria,

Isto é o que me vem em mente e a Presidência Mundial terá que dirigir e equilibrar. Especialmente com iniciativas como “melhores práticas” a serem compartilhadas por meio de nosso site global, da nossa revista e rede de mídia. Assim descobrimos as diferenças que inspiram melhorias.

Como está indo a implementação da programação que você fez com o seu Conselho Mundial?

Está indo muito bem. Especialmente no ano do jubileu, mas falaremos sobre isso daqui a pouco. Estamos alcançando o objetivo de transportar a Presidência Mundial e a Confederação no século XXI. Apenas para ser uma estrutura de apoio ao nosso movimento – cito novamente: “Como será o ex-aluno do século 21?” – o nosso trabalho na Presidência é iluminar, inspirar e inovar; inspirar estruturas e líderes locais e nacionais por meio de uma programação, crescimento sustentável e planejamento. O que não me satisfaz e o que nos falta é uma comunicação válida e generalizada com os ex-alunos e amigos de Dom Bosco; é nisso que precisamos trabalhar mais.

Mas existem três coisas mais importantes para todas as realidades dos ex-alunos espalhados por todo o mundo: plano estratégico, listas de ex-alunos com base em suas habilidades de trabalho e listas de projetos. E, neste ponto, também quero mencionar a importância de nossa equipe da Presidência: entre os membros eleitos, associados, líderes de projeto e especialistas, somos mais de trinta pessoas! Embora sejam todos voluntários (todos têm trabalho e família), vêm todos os dias para trabalhar nas suas funções e por isso sou imensamente grato a cada um deles.

Perspectivas e esperanças – movimento salesiano. Quais são as perspectivas do movimento salesiano?

Bem, quero dizer a expressão “Movimento Salesiano” de duas maneiras. O primeiro é “Movimento Salesiano” como sinônimo da Família Salesiana. E aqui a ideia é o círculo “mágico” da Família Salesiana. O que isso significa? É muito simples. Os salesianos crescem com os jovens, ensinam-lhes o que são os grupos familiares salesianos. Os jovens escolhem sua vocação, SDB, FMA, cooperadores ou ex-alunos … E das famílias dos ex-alunos nascem novos membros do Movimento Salesiano, novos jovens que vão ao oratório e são seguidos por SDB, FMA, etc. Creio que devemos trabalhar nessa maneira de ver o movimento salesiano.

A outra forma como entendo o Movimento Salesiano são os leigos que amam Dom Bosco, mas não se sentem parte dos grupos da Família Salesiana. Eu os vejo muito como “amigos de Dom Bosco”, como está escrito na estátua da Confederação Mundial de Ex-Alunos e Amigos de Dom Bosco. Mas as duas formas de entender o “Movimento Salesiano” têm uma coisa em comum: integrar o movimento salesiano – integrar as vocações de ex-alunos com grupos religiosos ao movimento salesiano e ajudar-se mutuamente: leigos que servem grupos religiosos como profissionais e que recebem em troca, um serviço espiritual de grupos religiosos para fazer o bem a eles e suas famílias.

Alguns adultos pensam que alguns jovens são passivos, indiferentes, tão desanimados e desencorajados que não mais sonham e planejam. O que você acha disso?

Bem, eu realmente não concordo com essas alegações; sempre houve e sempre haverá a ideia de uma “lacuna geracional”, as estruturas institucionais são geralmente governadas pelos idosos, os jovens não têm uma visão tradicional das coisas; os jovens sempre foram rebeldes, sempre foram o motor da mudança e do progresso – tanto no sentido positivo quanto no negativo! Eles são sempre os líderes das revoluções – as boas e as ruins.

Mas não precisamos nos preocupar com esses clichês (mesmo que sejam verdadeiros). Porque para os jovens, temos o exemplo extraordinário de Dom Bosco e seu vademecum . Sua profundidade e amor sempre atraíram jovens e foram uma fonte de inspiração para eles. É disso que eles mais precisam. Como Dom Bosco fez.

Seu sentimento por este 150º aniversário dos ex-alunos .

O 150º aniversário é um presente para nós. Nós podemos olhar para trás. Podemos lembrar as coisas bonitas e inspiradoras do passado. Podemos nos inspirar em 150 anos de história e tradição. É vasto. Isso é emocionante. É legal. E isso nos trouxe muitas grandes idéias. Gostaria de listar algumas que a Confederação Mundial está promovendo e desenvolvendo.

Tudo começa com o Ano do Jubileu (junho de 2019 a junho de 2020), que combinamos com toda a equipe da Presidência durante a reunião na Colômbia em 2018. Estabelecemos que nos prepararíamos por um ano, para um ano inteiro de celebrações (junho 2020 – junho 2021), que nos levarão à próxima Assembléia Geral em 2021.

Antes de tudo, concordamos com o lema do nosso aniversário (inspirado no SDB): se “Como será o ex-aluno de 2021?” ou “Como será o ex-aluno nos próximos anos?”

Para entender completamente, elaboramos um questionário. Um questionário com um  “Q” maiúsculo. Simples, com poucas perguntas, mas muito detalhado. E nós distribuímos para as partes interessadas. Quem somos? Bem, não apenas os ex-alunos. Fomos mais longe. Enviamos o questionário a ser preenchido para todos os líderes dos grupos da Família Salesiana! Para entender como nossa “família” nos vê. Para ter uma opinião de fora. E tivemos uma resposta maravilhosa.

Esse questionário também é importante para outro objetivo: com base nas respostas, prepararemos as propostas para a modificação de nosso Estatuto Mundial, a fim de torná-lo atualizado para os ex-alunos de hoje e para os do século XXI. Junto com isso, há outras iniciativas, relacionadas ao aniversário, a serem mencionadas.

Estamos preparando o compêndio/coleção das 150 melhores práticas/projetos gerenciados pelos ex-alunos e o compêndio de 150 perfis de grandes ex-alunos para inspirar. E ainda: Queremos destacar nosso fundador, Carlo Gastini. Preparamos um livro sobre ele, estamos pensando na ideia de erguer uma estátua em Valdocco e queremos iniciar o processo de sua beatificação.

Outro livro pronto é o de Alberto Marvelli, ex-aluno italiano beatificado. Com esse livro, queremos fazer com que os ex-alunos compreendam o que significa ser “bons cristãos e cidadãos honestos” na vida cotidiana.

Não se esqueça da nossa principal iniciativa “as xícaras”; pretendemos reviver o gesto do presente que os primeiros ex-alunos deram a Dom Bosco em 24 de junho de 1870. Eles lhe deram um coração de prata e um serviço de xícaras de café.

Após 150 anos, em 24 de junho de 2020, forneceremos 150 serviços de xícaras de café (juntamente com o café dos Ex-Alunos) aos ex-alunos de hoje, começando com Don Artime e o Papa. O dinheiro que receberemos desses serviços de doação será doado para 4 projetos educacionais (um para cada continente) aos ex-alunos do setor cafeeiro (Dom Bosco havia sido um barista em sua juventude) e é por isso que teremos o café.

E o próprio Dom Bosco está nos ajudando com nossas celebrações – porque a Estreia de 2020 é igual ao nosso lema: “Bons cristãos e honestos cidadãos”. Obrigado, Dom Bosco!

Qual sua mensagem final?

A mensagem mais importante a dar, as palavras mais importantes a dizer são sempre as mesmas: “Seja um bom cristão e um honesto cidadão”. Explico: usamos os talentos que o Senhor nos deu, a educação recebida de Dom Bosco e as especializações e habilidades profissionais para servir. Servir os outros ex-alunos, a Família Salesiana e as comunidades em que vivemos.

Isto significa ser ex-aluno de Dom Bosco: Buscar a santidade em nossa vida cotidiana, em nossa família, em nosso trabalho, em nossa vida profissional, pessoal e pastoral.

Pierluigi Lazzarini

Fonte: Ex-alunos NewsFlash

Comments

comments

Comente!

Contato

  • +55 67 3312 6400
  • Rua Pe João Crippa, 1437
  • CEP 79002-390 - Campo Grande, MS